quarta-feira, 14 de maio de 2014

Obediência




Ao visitar uma casa de amigos, presenciei uma discussão entre duas crianças que tentavam convencer a mãe da sua inocência da seguinte forma:

– Mãe foi ele!
– Foi ela!
– Ele disse que eu podia pegar o copo, aí eu peguei. Aí o copo caiu e quebrou!
– Ela pegou por que quis!
Então a mãe interviu: – Parem de brigar senão...

O senão é o x da questão. Estamos educando nossas crianças a base de subornos, não faça isso senão não ganha doce, faça aquilo senão não vai passear, não faça isso senão não pode ter isso ou aquilo. A consequência de obedecer é sempre positiva para a criança, ao menos naquele momento. Isso desvirtua o processo de educação, pois eles crescem querendo levar vantagem em tudo.

Desde o princípio fomos desobedientes. O primeiro homem Adão, ouviu o primeiro senão da história, mas foi uma justificativa negativa:

Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dessa não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás.” (Gênesis 2:17)

Antes de Eva ser criada, Adão já tinha ouvido a Palavra de Ordem dada por Deus para não comer daquela árvore, senão morreria. Quando Eva foi criada, a versão que ela conhecia da ordem de Deus era: “do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: Não comereis dele, nem nele tocareis, para que não morrais”. Eva acrescentou um ponto ao conto. Deus não disse que não podiam tocar no fruto. Essa foi a deixa dada a serpente.

“Sabe de nada inocente”. Foi o que a serpente pode ter pensado quando aproveitou para inserir diante dos olhos humanos a vantagem do erro. Disse que certamente não morreria, e seriam como deuses.

Então, vendo a mulher que aquela árvore era boa para se comer, e agradável aos olhos, e árvore desejável para dar entendimento, tomou do seu fruto, comeu, e deu a seu marido, e ele também comeu” Gênesis 3:6.

Querer levar vantagem levou as primeiras criaturas a desobedecer, assim como a vantagem leva as últimas a obedecer, o que não chega a ser obediência, pois não estão respeitando a autoridade de quem ordena, mas agem por interesse na recompensa, na impossibilidade de poder pagar a promessa, serão as crianças que vão manipular os pais com a pressão emocional. Aprendem pelo exemplo.  

Ao contrário de Adão e Eva, todos nós nascemos com esse impulso ao erro, em consequência daquele evento no Éden. Então somos muito mais responsáveis por expor nossas crianças a esse tipo de educação, pois se já somos maus por natureza, eles serão piores pela criação que recebem.

A Bíblia diz que Adão não foi enganado (1 Timóteo 2:14), ele não acreditou no conto da serpente, apenas foi no embalo da mulher, depois não teve coragem de assumir seu ato, pois o germe do pecado havia sido inserido após a desobediência, tomou consciência do mal que fizera.

A mulher disse: – Foi culpa da serpente!

Adão, por sua vez: – Foi culpa da Eva!

Muito familiar esse diálogo. Creio que todos quando crianças já tiveram a sensação de ser pego num ato ilícito. Nós nos sentimos nus, sem ter para onde fugir ou como esconder a vergonha. Aquela vantagem inicial é a que nos traz morte hoje, o salário justo do pecado. E para que não comessem da árvore da vida, Deus os tirou do jardim. Deus para disciplinar os tirou todas as vantagens que possuíam inclusive o Éden.

Por que achamos que fazendo diferente vai dar certo? Graças a Deus não tenho do que reclamar neste aspecto, pois minha mãe nunca cedeu aos apelos de nenhum dos filhos, com ela era “Não pode”. Isso era suficiente, funciona até agora... Marmanja com quase 30 anos nas costas. Eu poderia até questionar por que não? Ou pensar, será que se eu fizer isso vai acontecer aquilo mesmo? Ela não me condenaria por duvidar, duvido até hoje, mas por desobedecer. Os pecados são sempre a prática de algo que não deveria ter sido feito.     

Depois do erro não teve nenhum senão da parte de Deus. Sofreríamos as consequências de nosso ato, geração após geração. Mas esse não era o plano original de Deus, embora previsto. Havia outro plano criado antes da fundação do mundo.

Pelo determinado conselho e presciência de Deus, Jesus, o Filho Unigênito do Pai, o Segundo Adão, primícias de uma nova criação, veio ao mundo para ser entregue por nossos pecados (Atos 2:23). O homem nunca pode por si próprio reparar seu erro, Deus pela obra de Jesus Cristo, resolveu reparar a natureza corruptível de todo homem que crê.

“Porque, assim como pela desobediência de um só homem muitos foram constituídos Pecadores, assim também pela obediência de um, muitos serão constituídos justos”. Romanos 5:19

“Porque, se com a tua boca confessares a Jesus como Senhor, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, será salvo”; Romanos 10:9

E o bom é que a nova ordem não é, faça isso e aquilo, ou não faça isso ou aquilo senão não será salvo. A salvação é dada por graça “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus”; Efésios 2:7. De uma coisa não duvido, se o futuro da nova criação dependesse de nós, cairíamos novamente.

Meu desejo é que todos que tem filhos pensem no que realmente importa. As vantagens do mundo nos afastam de Deus, ainda que seja o pirulito, o vídeo game, o passeio, isso leva as crianças para longe do coração de seus pais, e cada vez mais para a ilusão da recompensa por obras, um empecilho para a fé, e algo contra o que foi determinado por Deus e vale para todos:

“Vós, filhos, sede obedientes a vossos pais no Senhor, porque isto é justo. Honra a teu pai e a tua mãe (que é o primeiro mandamento com promessa)” Efésios 6:1-2. E a promessa era para que te vá bem e se prolonguem os dias sobre a terra.


P.S: A história inicial é fictícia, embora muito conhecida.