quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Eu perdi o mundo para ganhar vida




Adolescente é rebelde. Não sei quem determinou esta premissa. O ser humano é rebelde em qualquer geração. Nascemos como uma semente do pecado que só tende a produzir pecados. Nascemos com o “livre-arbítrio” para decidir qual a menos pior das escolhas erradas que nossos corações desejam tomar. A Palavra de Deus fala que “Não há ninguém que entenda; Não há ninguém que busque a Deus”. (Romanos 3:11).

Meus 30 anos se aproximam, ainda estou longe de me considerar uma pessoa madura, mas minha adolescência está cada vez mais longe. Foi a época mais triste da minha vida, e hoje vejo que foi o período em que Deus trabalhou muito em mim. Assim como o Senhor Jesus encontrou o Apóstolo Paulo a caminho de Damasco, Ele me encontrou em algum canto nos arredores dos muros da minha casa de onde eu quase nunca saia. 

Uma vez me disseram: “Deus tem uma obra muito grande na sua vida!” Achei uma frase pronta tão óbvia. Nesse mundo religioso é muito comum ouvir esse tipo de coisa, e geralmente quem diz não quer dizer nada, ou até quer dizer, mas não sabe o que. Outra frase muito comum é “hoje é dia de vitória”, mal alguém adoece e alguém já profetiza a cura. 

Quando eu era adolescente Deus me tirou do mundo. Fiz mais ou menos o caminho inverso de Paulo, mas depois explico o que quis dizer com isso. Eu fui uma menina muito triste, abatida, por que eu não podia fazer o que todos os jovens da minha idade faziam. Eu não passeava, não ia à casa das amigas e nem podia trazê-las até a minha casa, não participava das excursões da escola, não fazia as aulas de Educação Física, pois eram fora do horário escolar normal, e ter que sair de casa para as aulas normais já era um tormento para aqueles que zelavam (demais) por mim.

Eu não tinha forças para me rebelar. Poderia ter feito como o pródigo, pegar minhas coisas e sair de casa, como algumas colegas fizeram por muito menos, ou tão menos semelhante. Mas a ideia do “EU NÃO POSSO” que no principio eram ditas por terceiros, depois virou uma ladainha interna, tudo que eu via, sentia, queria eu não podia. Era uma lei. Coisas boas eu também achava que não podia: continuar a estudar, trabalhar, ir até o supermercado da esquina comprar refrigerante como eu fazia na infância, eu não podia.

Era horrível. Meus anos escolares foram para mim o céu e o inferno. O céu porque era o único lugar fora de casa que eu frequentava, o único lugar onde eu podia tentar esquecer de mim um pouco, e conviver com outras pessoas. Foi um inferno, porque eu não sabia ser como as outras pessoas, eu não gostava mais das mesmas coisas que as outras pessoas, eu comecei a perceber que existiam coisas muito mais importantes que eu necessitava e não tinha e que eu os via desperdiçar. Isso dificultava a convivência. 

O último ano escolar foi o ápice do meu desespero, chorei feito uma condenada, pois imaginava que nunca mais sairia de casa para nada, nunca mais poderia encontrar minhas colegas, via um mundo de isolamento a minha frente.  Por alguns dois ou três anos meu sofrimento foi ameno porque uma amiga se esforçava para me fazer companhia sempre que podia, ela vinha em minha casa e ficávamos no quintal porque eu acreditava que ela não podia entrar; pelo menos ninguém nunca a convidou para tal, eu que não me atreveria!

Depois foi outra choradeira, pois ela anunciou que iria se mudar para o interior de São Paulo junto com sua família, aí foi o fim. Após a mudança, acho que ela veio uma ou duas vezes me visitar depois nunca mais. E foram longos oito anos de solidão. Mas qual era o meu problema afinal? Podem estar se perguntando. Deus estava usando as circunstâncias para me salvar, um pequeno problema de saúde acabou tomando uma proporção imensa no inconsciente coletivo que acabou achando que aquilo era o fim do mundo, e arruinaram todas as minhas chances de crescer em circunstâncias normais, e hoje vejo que isso foi uma grande benção para mim! 

Longe das prevaricações, longe das prostituições, longe da ganância torpe, das vãs sutilezas, da religião dos homens, longe do mundo, Deus aos poucos foi colocando Seu Filho Jesus diante e dentro de mim. Alguém que morreu na cruz, que foi entregue para ser condenado em meu lugar, eu realmente tinha motivos para chorar feito uma condenada, pois era exatamente isso que eu era naquela ocasião. Deus por infinita misericórdia arranjou um substituto, e aceitou Seu sacrifício ressuscitando dentre os mortos e ascendendo-O aos Céus.

Poderia ter sido de outra forma, mas louvado seja Deus, dou graças por poder compartilhar com alegria qual foi a forma que Ele escolheu para me trazer para Si! Quando eu achei que não tinha saída, que não podia mesmo fazer nada por mim nem por ninguém, que Ele veio e disse: “A minha graça te basta”, pois o seu poder se aperfeiçoa nas fraquezas (2 Coríntios 12:9). Foi aí que eu disse ter feito o caminho inverso de Paulo, pois tudo que eu havia reputado por perda, todas as amizades, passeios, excursões, trabalhos, estudos, tudo foi ganho para mim, tudo que me fez falta naquele momento foi extremamente recompensado pela graça que eu ganhei em Cristo Jesus Nosso Senhor!

O Apóstolo Paulo que era um judeu zeloso tinha aparentemente muito a perder, uma reputação entre os seus, etc, ele renegou tudo por causa do vitupério de Cristo. Eu que achei que já tinha perdido tudo, descobri que saí ganhando no final das contas, sem saber estive no caminho de Moisés que preferiu “antes ser maltratado com o povo de Deus, do que por um pouco de tempo ter o gozo do pecado;” Hebreus 11:25. 

Graças a Deus por minha mãe e minha irmã que me acolheram e proveram todas as minhas necessidades materiais e físicas, meus colegas que me auxiliaram nos momentos mais delicados, aos que se afastaram Deus os guarde em Seu infinito amor, aos que permanecem que Deus permita que eu possa demonstrar minha gratidão por eles terem podido ser usados como vasos para honra do Senhor! Aos que vieram depois disso, bem-aventurados irmãos!

Deus realmente pode ter uma obra em nossas vidas: “O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é paciente para conosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se.” (2 Pedro 3:9). Resta agora que no grande dia do Senhor todos possam estar entre os que se arrependem e não entre alguns que se perdem.

Porque ainda um pouquinho de tempo, E o que há de vir virá, e não tardará. (Hebreus 10:37) 







quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Meu Riso





Durante minha infância tive vergonha do meu sorriso. Eu tinha os dentes da frente separados e grandes, só tirava fotos com sorriso forçado segurando para os dentes não aparecerem. Com o tempo os dentes foram fechando, ainda bem, pois eu não tinha condições de colocar aparelho.

Durante a adolescência o problema não era mais os dentes, mas, segundo diziam, o tamanho da boca. Sofri bullying, recebi todo tipo de apelido maldoso: Royal, Coringa... Era a moda do batom vermelho, minha irmã tinha me dado alguns num tom bem forte, realçavam meus lábios, porém o efeito foi nocivo. Qualquer coisa era motivo para me sacanearem, logo perdi o prazer de sorrir novamente.

A fase do bullying passou, e embora ninguém mais cismasse com meu sorriso ele perdeu um pouco do brilho. Assim que conclui o ensino médio passei por um longo período de isolamento em casa, longo mesmo, nove anos. Durante esse tempo desenvolvi formas de me ocupar, escrever poesias foi a primeira delas. Eu comecei a escrever aos 13 anos, mas minha melhor fase foi pós-escola. Tinha tempo ocioso para criar, o ócio e a tristeza tem sua utilidade, eu posso zombar da cara delas transformando-as em arte!

“Minha alegria eu enterrei nas covas do meu sorriso”. Escrevi. As covinhas que se formam em meu rosto quando sorrio são um traço particular pelo qual sempre tive muita consideração, tenho uma boneca que tem minha idade, chamada Kelly, minha mãe comprou quando eu era bebê por ter as mesmas covinhas no rosto. Então usei esse detalhe e compus uma poesia, várias delas, quem leu as julgaram tristes. Sou uma pessoa que escreveu coisas tristes usando como tema o sorriso, vai entender!

Quando sai da minha clausura e enfim voltei a estudar notei que passou a ocorrer o inverso, meu sorriso atraia as pessoas. Na universidade meu apelido era sorriso, no curso de atualização fui homenageada por estar sempre sorrindo apesar de toda uma história repleta de dramas e sofrimentos que poucos sabem.

Então parei para pensar nessa reviravolta. Quem me tirou de onde eu estava foi Deus. Diversas vezes na vida me senti o último dos seres humanos, acuado, no fundo do poço (Do poço d’onde eu te gritava/E me lançava nas paredes/Eu via um sinal que me animava:/Ao meu redor o musgo verde!). Às vezes é necessário que percamos todos os recursos para aprendermos que na verdade nunca tivemos recursos nenhum para nos salvar! Foi quando me vi sozinha, sem amigos, sem estudar, sem trabalhar, família batalhando pelo pão de cada dia, e eu querendo atenção, precisando de carinho, de saúde, que pude enxergar o único que poderia me dar mais que isso, poderia me dar NOVA VIDA!

Meu contato com a Palavra de Deus até então vinha de um livro com o Novo Testamento, Salmos e Provérbios dado na escola no ensino fundamental, muito fundamental isso. Eu lia e relia e admito que não entendia nada com nada, usava vezes como amuleto, repetia salmos como mantras, curtia o “sermão da montanha”, mas aquilo me dava medo, faltava uma coisa para que eu pudesse gozar com liberdade daquela maravilha. 

Faltava crer nAquele que o livro anunciava. No entanto ali no silêncio externo e naquele barulho interno com qual eu vivia, Deus estava me moldando e me preparando para uma grande revelação. Um dia, não sei dizer com precisão quando, comecei a me interessar por Jesus Cristo, tive acesso a Bíblia completa pegando a da minha irmã escondido, era chato, pois ela guardava coisas dentro da Bíblia como se tivesse poderes mágicos de abençoar o objeto, carta, ou fotos ali colocados. Alguém já fez isso? Eu já... a minha era pequena mas algumas coisas já coloquei ali!

A segunda Bíblia foi presente da minha cunhada para minha mãe, e eu também lia escondido, eu sentia que o interesse genuíno pelo Senhor não era bem visto em meu lar, principalmente sem nenhuma expressão religiosa. E tentando conhecer o Senhor Jesus Cristo ouvi muito blá-blá-blá religioso. No entanto com isso, Deus estava me mostrando que daquela forma eu também não chegaria a conhecer a expressão da verdade.

Um dia eu percebi que poderia voltar a sorrir sem medo, segui “atenta a sina que me espera, ao medo que chega e não vence”; Enfim passei a crer que existia uma Pessoa que por amor havia entregue sua vida padecendo pelos nossos pecados, para glorificar a Deus e preparar uma nova criação. A minha velha criatura como a de todos os que creem e os que não creem, realmente estava e está no fundo do poço, se dependesse de mim, talvez eu não estivesse aqui para contar esta história.

Antes eu era uma criatura perdida em meus conflitos, vítima do pecado que corrompia a minha natureza. Ainda que eu não tenha tido oportunidade ou vontade de cometer coisas que as pessoas julgam “graves pecados”, quem nunca pecou que atire a primeira pedra! Na verdade, diante de Deus não existe pecado grande ou pequeno. Existia pecado e pecadores. O poder do pecado Deus tirou do mundo pelo sacrifício de Jesus Cristo, pois o que de pior o pecado poderia nos causar era a morte e Jesus venceu a morte na cruz, e todo aquele que crê no Filho não perece e tem a vida eterna (João 3:16).

Quanto aos pecadores resta o tempo de hoje (ou mais precisamente agora) para que aqueles que ainda não creem, o recebam e vivam. Para mim, hoje Deus olha e vê Jesus Cristo, é isto que acontece com os salvos, Deus não enxerga mais os meus pecados, e as minhas fraquezas também não chegam aos seus olhos, tudo passa pelo crivo do Senhor, e Ele nos fala e ajuda pelo seu Espírito Santo que habita em cada crente.

Poucos me veem falando de religião, mas muitos me veem sorrindo e escrevendo sobre Cristo. Hoje tenho motivos para sorrir, olho no espelho e vejo um lindo sorriso de menina, que realmente eu não enxergava. Nem em minhas fotos de antigamente, algumas com sorriso forçado, outras nem tanto, mas não era a mesma coisa. Hoje meu sorriso não vem de algo que eu tenha feito e que me deixa feliz e orgulhosa, vem de algo que fizeram por mim de graça!

De vez em quando aquela menina bocuda com dentes arreganhados insiste em me aborrecer, ela me faz chorar. Contudo é passageiro, precisamos desapegar da velha mania de querer ligar o mundo dos mortos ao dos vivos, pois esta é a relação daquela que eu fui com a que eu sou segundo a Palavra de Deus (Miserável homem que eu sou! quem me livrará do corpo desta morte? Romanos 7:24)

Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito. Romanos 8:1

Hoje o meu sorriso é mais bonito do que jamais foi, gosto de sorrir em fotos, gosto de sorrir para o espelho, não por vaidade, embora agora eu me sinta uma mulher bonita, hoje minha alegria vem do reconhecimento de tudo que passei, e que mesmo as lágrimas que me trouxeram até aqui, e outras tantas que ainda rolam, são obras de Deus para Si, sou instrumento Dele, e se este sorriso com suas covinhas servirem para mostrar que este corpo morto há de ressuscitar incorruptível por Cristo Jesus, já valeu a pena sorrir.

Bem-aventurados vós, que agora tendes fome, porque sereis fartos. Bem-aventurados vós, que agora chorais, porque haveis de rir. Lucas 6:21


domingo, 28 de setembro de 2014

Lista de Amigos

Faça uma lista de grandes amigos
Quem você mais via há dez anos atrás
Quantos você ainda vê todo dia
Quantos você já não encontra mais...
Quantas pessoas que você amava
Hoje acredita que amam você?
A Lista – Oswaldo Montenegro




Se eu fosse fazer uma lista de amigos de dez anos atrás, seria relativamente interessante, me traria a memória coisas boas, pequenas aventuras, os nomes seriam variados, femininos e masculinos, pessoas divertidas. Acho que se eu fosse apontar um defeito deles todos seria o fato de serem humanos.

Por serem humanos tendem a deixar que as coisas sejam passageiras, pois estão sempre em busca de novas aventuras e coisas. Assim os amigos para alguns viram coisas que são deixadas de lado por outras coisas mais interessantes. Aqui poderiam me dizer, amigo que é amigo está ao nosso lado para vida toda! Será? Eu não diria que as pessoas (e não coisas) que um dia eu chamei de amigas eram falsas, algumas talvez, certeza nenhuma. O fato é que eu as conheci no mundo, e o mundo exibe tantas coisas atraentes e coloridas, que acho que uma amizade verdadeira não consegue concorrer no mesmo nível.

É preciso muita presença de espírito para enxergar a singeleza de um amigo, pelo meu ponto de vista é muito simples uma amizade despretensiosa, sem grande arroubos públicos. Diferente da "amicissitude" que exibem quando somos pessoas ditas importantes, ou aquela garota influente da escola, aquele cara bonito e bacana do trabalho ou o riquinho da faculdade. Infelizmente os relacionamentos hoje são repletos de amicissitude e poucas amizades. Principalmente quando os candidatos a amigos não são a garota popular da escola, o cara bonito, o rico da facul e nem qualquer outra pessoa importante para a sociedade.

As Redes Sociais é uma forma de render um minuto de fama para uma multidão de anônimos que de repente mesmo sem querer acabam sendo lidos, com sorte (ou nem tanta sorte assim) postam um vídeo na internet e viram um ídolo Teem. Nas redes sociais temos mais de 100, 1000, 2000 amigos ou mais, mas se fossemos seguir a ideia da música do Oswaldo Montenegro dentre todos os meus ditos "amigos" das redes, são colegas e não grandes amigos. Ali eu contaria alguns que eu colocaria na minha lista, embora eu hoje saiba com certeza que eu não faria parte da lista deles se a mesma proposta lhes fosse dada.

Meu lado humano não gosta dessa ideia, dá uma sensação de ego ferido. Mas meu lado cristã entende porque eles agem assim, eu já fui capaz de agir assim algum dia não tão distante. Não fazem por mal, é que o mundo pede mudanças e quem não acompanha o ritmo e não se importa em acompanhar, naturalmente é excluído, seleção natural é uma ciência que aprendemos cedo na escola. O que vale a pena dizer é que isto não é o fim do  mundo de quem fica do lado de cá dos holofotes. Sabendo que são boas pessoas, muitas delas cristãs iludidas, resta o silêncio e a fé de que um dia voltaremos a nos encontrar em algum lugar melhor, só para finalizar com outra música, "qualquer dia amigo a gente vai se encontrar"*...

*Canção da América – Milton Nascimento


sábado, 6 de setembro de 2014

Condutores Cegos




Era domingo, estava indo de táxi a uma festa de casamento. O motorista contava sua história miraculosa, para gato nenhum botar defeito. O homem parecia ter mais de sete vidas. Mas o que me chamou atenção foi outro fato, uma família que atravessava a rua. Era um casal de cegos e seus dois filhos! O motorista já os tinha visto antes, e a pessoa ao meu lado no táxi também já tinha ouvido falar deles.

O rapaz cego, em um dos braços carregava um menino de uns dois anos talvez, e na outra mão segurava sua bengala; a moça puxava uma menina de uns três ou quatro anos por uma das mãos e na outra mão segurava a bengala também. E assim todos atravessavam a rua, enquanto nosso táxi aguardava.

Um cego guiando outro cego. Nosso Senhor Jesus quando falava dos cegos, ou chamava pessoas de cegas, não se referia aos cegos por natureza, cegos dos olhos físicos. Ao contrário lemos muitos cegos indo ao Senhor, clamando por misericórdia e cura, ao passo que aqueles que enxergavam, não viam o Senhor, e buscavam razões para duvidar.  

E aqueles dos fariseus, que estavam com ele, ouvindo isto, disseram-lhe: Também nós somos cegos?
Disse-lhes Jesus: Se fôsseis cegos, não teríeis pecado; mas como agora dizeis: Vemos; por isso o vosso pecado permanece. João 9:40-41

Aquele casal não estava conduzindo a si mesmo. Creio que Deus os conduzia. Bem como seus dois filhos que enxergam, e espero que também saibam ver, apreciar as maravilhas que Deus realiza na vida de seus pais, e que está disponível para todo mundo.

Fiquei curiosa para conhecê-los, quem sabe um dia. Agradeço a Deus por ter meus cinco sentidos saudáveis, alguns mais aguçados que outros, naturalmente. Tenho saúde, as doenças que me prejudicavam também já não as tenho mais. No entanto, nada disso me garante um bom caminho neste mundo, não me dá segurança, tranquilidade, não é minha saúde ou dinheiro que me sustenta. Acima de tudo, Deus me dá vida, vida em Cristo, e isso faz com que sigamos em frente com ou sem meios externos que nos facilite a vida.

Em Mateus 10, o cego pediu vista a Jesus, mas ele disse: A TUA FÉ TE SALVOU. Depois de salvo pela fé em Cristo Jesus, então ele viu.

E Jesus, falando, disse-lhe: Que queres que te faça? E o cego lhe disse: Mestre, que eu tenha vista.
E Jesus lhe disse: Vai, a tua fé te salvou. E logo viu, e seguiu a Jesus pelo caminho. Mateus 10:51-52

No Evangelho de Lucas a descrição do episódio segue dizendo: “E logo viu, e seguia-o, glorificando a Deus. E todo o povo, vendo isto, dava louvores a Deus” (Lucas 18:43). O cego glorificava a Deus, e aqueles que testemunhavam davam louvores a Deus. Foi o que fiz quando vi aquela família linda atravessando a rua, desafiando as convenções, as dificuldades e a incredulidade. Louvado seja Deus!

Todos nós somos cegos de nascença. Mesmo nós que enxergamos. Precisamos crer que alguém possa nos fazer enxergar. Crer apenas, depois podemos buscar o entendimento, e com certeza não nos será negado. Esse alguém é o Senhor Jesus, que morreu na cruz para levar nossos pecados que nos traz enfermidades, confusão, ruína e corrupção.

Vou terminar este post com o testemunho de outro cego que foi salvo pelo Senhor que nada sabia sobre quem o fizera enxergar e respondeu prontamente a razão de sua fé:

Ora, nós sabemos que Deus não ouve a pecadores; mas, se alguém é temente a Deus, e faz a sua vontade, a esse ouve.
Desde o princípio do mundo nunca se ouviu que alguém abrisse os olhos a um cego de nascença.
Se este não fosse de Deus, nada poderia fazer.
Responderam eles, e disseram-lhe: Tu és nascido todo em pecados, e nos ensinas a nós? E expulsaram-no
”  João 9:31-34.

Depois o Senhor se revelou:

Jesus ouviu que o tinham expulsado e, encontrando-o, disse-lhe: Crês tu no Filho de Deus?
Ele respondeu, e disse: Quem é ele, Senhor, para que nele creia?
E Jesus lhe disse: Tu já o tens visto, e é aquele que fala contigo.
Ele disse: Creio, Senhor. E o adorou
João 9:35-38.



terça-feira, 8 de julho de 2014

Cegueira






Tenho um gato cego chamado Pirulito. Ele nasceu enxergando, mas aos poucos foi perdendo a visão. Certo dia estava em meu quintal, sentada, meditando nas coisas da vida, e comecei a observá-lo.

Pirulito caminhava para lá e para cá, subia muro, descia muro... Certo momento ele parou para tomar um banho de sol, foi quando me deu vontade de fotografá-lo. Achei engraçado como um animal cego é muito mais autossufiente que os humanos.

Os homens cegos dependem de bengalas, um cão-guia, de outros homens para conseguir caminhar, quiçá subir escadas ou muros. Os mecanismos de sobrevivência dos animais são mais fortes, e eles sequer têm consciência disto! Os homens por sua vez possuem consciência da complexidade de seu intelecto, e muitas vezes se deixam privar por questões da carne.

Nós homens nascemos cegos, incrédulos, alguns viram religiosos, outros ateus, outros não consideram nem uma hipótese nem outra, seu ídolo é o mundo; aí vive feito o Pirulito, que dentro de casa esbarra na minha perna, no pé da mesa... demora a achar a porta, mas quando acha e sai, no quintal ele se liberta, fora existem menos empecilhos artificiais que os homens colocaram em seu caminho.

Os homens são campeões em lançar pedras de tropeços diante dos outros. Nós na incredulidade somos condutores cegos tentando guiar outro, só que o fim é o abismo (Mateus 15:14). Mas aprendi, bem como o Pirulito, que fora do arraial está algo precioso: Jesus “para santificar o povo pelo seu próprio sangue, padeceu fora da porta”. “Saiamos, pois, a ele fora do arraial, levando o seu vitupério”.



Dentro de casa (arraial) Pirulito é efetivamente um cego, deslocado, humilhado por outros gatos ditos saudáveis, tadinho ele apanha até da gatinha mais nova (neófita)! Fora ele se renova, tem pleno controle de suas habilidades motoras, e anda calma e silenciosamente como tendo controle de si. Não mia por comida, sabe que sempre a recebe, não fica curioso para saber o que tem de bom na casa (arraial) do vizinho, o máximo que faz é subir no muro alto e sentir o movimento, a brisa!

Pirulito não espera nada deste mundo, e tudo que ele precisa ele recebe, tem um cesto para dormir, comida na hora certa, e a hostilidade dos demais faz parte. Não é uma perfeita figura de um cristão? Incrédulos somos cegos, sem esperança. Crentes possuímos vida do alto, e vemos em parte. Dentro do arraial, na confusão atual, no entanto, acabamos por agir como se ainda fossemos cegos, esbarramos em redor em todo vento de doutrina estranha. Mas nada como sair disso tudo e sentir a paz que o mundo não dá, a paz deixada por Cristo Jesus, prometida antes de seu sacrifício quando anunciou que iria voltar vitorioso.

Porque não temos aqui cidade permanente, mas buscamos a futura. Pirulito é o mais desprezado dos gatos, não chega nem na sala de estar, não sobe no sofá, mas isso não importa para ele. Para nós Cristãos, que valorizamos sobremaneira o nome do Senhor Jesus Cristo as vantagens do mundo, ainda aquelas que possuem rótulos cristãos, se não estão de acordo com a Palavra de Deus, a Bíblia, não possui valor nenhum.

To fora!


Não vos deixeis levar em redor por doutrinas várias e estranhas, porque bom é que o coração se fortifique com graça, e não com alimentos que de nada aproveitaram aos que a eles se entregaram.
Temos um altar, de que não têm direito de comer os que servem ao tabernáculo.
Porque os corpos dos animais, cujo sangue é, pelo pecado, trazido pelo sumo sacerdote para o santuário, são queimados fora do arraial.
E por isso também Jesus, para santificar o povo pelo seu próprio sangue, padeceu fora da porta.
Saiamos, pois, a ele fora do arraial, levando o seu vitupério.
Porque não temos aqui cidade permanente, mas buscamos a futura.
Portanto, ofereçamos sempre por ele a Deus sacrifício de louvor, isto é, o fruto dos lábios que confessam o seu nome.
E não vos esqueçais da beneficência e comunicação, porque com tais sacrifícios Deus se agrada.


Hebreus 13:9-16

quarta-feira, 14 de maio de 2014

Obediência




Ao visitar uma casa de amigos, presenciei uma discussão entre duas crianças que tentavam convencer a mãe da sua inocência da seguinte forma:

– Mãe foi ele!
– Foi ela!
– Ele disse que eu podia pegar o copo, aí eu peguei. Aí o copo caiu e quebrou!
– Ela pegou por que quis!
Então a mãe interviu: – Parem de brigar senão...

O senão é o x da questão. Estamos educando nossas crianças a base de subornos, não faça isso senão não ganha doce, faça aquilo senão não vai passear, não faça isso senão não pode ter isso ou aquilo. A consequência de obedecer é sempre positiva para a criança, ao menos naquele momento. Isso desvirtua o processo de educação, pois eles crescem querendo levar vantagem em tudo.

Desde o princípio fomos desobedientes. O primeiro homem Adão, ouviu o primeiro senão da história, mas foi uma justificativa negativa:

Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dessa não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás.” (Gênesis 2:17)

Antes de Eva ser criada, Adão já tinha ouvido a Palavra de Ordem dada por Deus para não comer daquela árvore, senão morreria. Quando Eva foi criada, a versão que ela conhecia da ordem de Deus era: “do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: Não comereis dele, nem nele tocareis, para que não morrais”. Eva acrescentou um ponto ao conto. Deus não disse que não podiam tocar no fruto. Essa foi a deixa dada a serpente.

“Sabe de nada inocente”. Foi o que a serpente pode ter pensado quando aproveitou para inserir diante dos olhos humanos a vantagem do erro. Disse que certamente não morreria, e seriam como deuses.

Então, vendo a mulher que aquela árvore era boa para se comer, e agradável aos olhos, e árvore desejável para dar entendimento, tomou do seu fruto, comeu, e deu a seu marido, e ele também comeu” Gênesis 3:6.

Querer levar vantagem levou as primeiras criaturas a desobedecer, assim como a vantagem leva as últimas a obedecer, o que não chega a ser obediência, pois não estão respeitando a autoridade de quem ordena, mas agem por interesse na recompensa, na impossibilidade de poder pagar a promessa, serão as crianças que vão manipular os pais com a pressão emocional. Aprendem pelo exemplo.  

Ao contrário de Adão e Eva, todos nós nascemos com esse impulso ao erro, em consequência daquele evento no Éden. Então somos muito mais responsáveis por expor nossas crianças a esse tipo de educação, pois se já somos maus por natureza, eles serão piores pela criação que recebem.

A Bíblia diz que Adão não foi enganado (1 Timóteo 2:14), ele não acreditou no conto da serpente, apenas foi no embalo da mulher, depois não teve coragem de assumir seu ato, pois o germe do pecado havia sido inserido após a desobediência, tomou consciência do mal que fizera.

A mulher disse: – Foi culpa da serpente!

Adão, por sua vez: – Foi culpa da Eva!

Muito familiar esse diálogo. Creio que todos quando crianças já tiveram a sensação de ser pego num ato ilícito. Nós nos sentimos nus, sem ter para onde fugir ou como esconder a vergonha. Aquela vantagem inicial é a que nos traz morte hoje, o salário justo do pecado. E para que não comessem da árvore da vida, Deus os tirou do jardim. Deus para disciplinar os tirou todas as vantagens que possuíam inclusive o Éden.

Por que achamos que fazendo diferente vai dar certo? Graças a Deus não tenho do que reclamar neste aspecto, pois minha mãe nunca cedeu aos apelos de nenhum dos filhos, com ela era “Não pode”. Isso era suficiente, funciona até agora... Marmanja com quase 30 anos nas costas. Eu poderia até questionar por que não? Ou pensar, será que se eu fizer isso vai acontecer aquilo mesmo? Ela não me condenaria por duvidar, duvido até hoje, mas por desobedecer. Os pecados são sempre a prática de algo que não deveria ter sido feito.     

Depois do erro não teve nenhum senão da parte de Deus. Sofreríamos as consequências de nosso ato, geração após geração. Mas esse não era o plano original de Deus, embora previsto. Havia outro plano criado antes da fundação do mundo.

Pelo determinado conselho e presciência de Deus, Jesus, o Filho Unigênito do Pai, o Segundo Adão, primícias de uma nova criação, veio ao mundo para ser entregue por nossos pecados (Atos 2:23). O homem nunca pode por si próprio reparar seu erro, Deus pela obra de Jesus Cristo, resolveu reparar a natureza corruptível de todo homem que crê.

“Porque, assim como pela desobediência de um só homem muitos foram constituídos Pecadores, assim também pela obediência de um, muitos serão constituídos justos”. Romanos 5:19

“Porque, se com a tua boca confessares a Jesus como Senhor, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, será salvo”; Romanos 10:9

E o bom é que a nova ordem não é, faça isso e aquilo, ou não faça isso ou aquilo senão não será salvo. A salvação é dada por graça “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus”; Efésios 2:7. De uma coisa não duvido, se o futuro da nova criação dependesse de nós, cairíamos novamente.

Meu desejo é que todos que tem filhos pensem no que realmente importa. As vantagens do mundo nos afastam de Deus, ainda que seja o pirulito, o vídeo game, o passeio, isso leva as crianças para longe do coração de seus pais, e cada vez mais para a ilusão da recompensa por obras, um empecilho para a fé, e algo contra o que foi determinado por Deus e vale para todos:

“Vós, filhos, sede obedientes a vossos pais no Senhor, porque isto é justo. Honra a teu pai e a tua mãe (que é o primeiro mandamento com promessa)” Efésios 6:1-2. E a promessa era para que te vá bem e se prolonguem os dias sobre a terra.


P.S: A história inicial é fictícia, embora muito conhecida.


sexta-feira, 25 de abril de 2014

Amém



Estive algum tempo meditando sobre algumas coisas que se tornam tão comuns pelo uso que perdem o seu sentido. Às vezes, utilizamos expressões esvaziadas de seu verdadeiro sentido. Exemplos: Eu te amo! Graças a Deus! Amém!

Palavras. Penso que não devo usá-las sem cuidado, principalmente essas expressões com rótulos cristãos; ou ainda, não devo usá-la em qualquer situação que tenha aparência de piedade cristã.

Nos últimos tempos venho estudando o uso da palavra Amém na Bíblia. 

Porque, se eu orar em língua desconhecida, o meu espírito ora bem, mas o meu entendimento fica sem fruto.
Que farei, pois? Orarei com o espírito, mas também orarei com o entendimento; cantarei com o espírito, mas também cantarei com o entendimento.
De outra maneira, se tu bendisseres com o espírito, como dirá o que ocupa o lugar de indouto, o Amém, sobre a tua ação de graças, visto que não sabe o que dizes? 1 Coríntios 14:14-16

Aqui a passagem fala da responsabilidade de quem fala e como fala. No entanto, é dito também que o Amém, o “assim seja”, pressupõe a necessidade de entendimento do que foi dito. Às vezes não basta que a mensagem seja em minha própria língua, a mesma Bíblia exige entendimento.

Um dia Jesus esteve presente junto a um poço ao lado de uma mulher samaritana (João 4).

Veio uma mulher de Samaria tirar água. Disse-lhe Jesus: Dá-me de beber. João 4:7

A mulher conhecia todos os costumes religiosos da região. Os judeus não se comunicavam com os samaritanos, ela conhecia a história de Jacó, reconhecia Jerusalém como o lugar de adoração dos Judeus, embora adotasse religiosamente outro lugar de adoração (o monte do versículo 21) e ela também aguardava o Messias.

Ela conhecia as profecias, e pelas palavras Dele ela creu que Jesus era o Cristo, o Messias aguardado e foi prestar testemunho aos de sua terra. Os samaritanos creram primeiro pelo testemunho da mulher:

E muitos dos samaritanos daquela cidade creram nele, pela palavra da mulher, que testificou: Disse-me tudo quanto tenho feito. João 4:39

Duas coisas se destacaram para mim com esta leitura, primeiro, a mulher só percebeu que Jesus poderia ser o Cristo porque conhecia as profecias! Quanta sabedoria nós recebemos quando temos conhecimento das Escrituras! Apesar de os samaritanos não gozarem de boa fama entre os judeus por sua particular prática religiosa, ou seja, divergente daquela praticada entre o povo de Israel, eles possuíam conhecimento das Escrituras (conhecimento nem sempre quer dizer entendimento). Depois de reconhecer a verdade ela foi testemunhar a outros que também conheciam a Palavra e pôs a prova os fatos:

Vinde, vede um homem que me disse tudo quanto tenho feito. Porventura não é este o Cristo? João 4:29

Creio que não foi uma manifestação de dúvida, mas de ordem e discernimento. 

A Bíblia relata que quando o Apóstolo Paulo junto a Silas foram a Beréia, todos os que estavam lá, ouviram de bom grado examinando cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim (Atos 17:11). Ou seja, eles ouviram aqueles homens de bom grado porém foram provar o que havia sido dito, sob a luz da Palavra.

Claro que há uma enorme diferença, pois a mulher estava diante da luz, do verbo. Mas ela foi comunicar aos varões de Samaria. E assim aqueles homens que ouviram de bom grado o testemunho da mulher foram até Jesus. Quão bom é ouvir, ou mesmo ler o testemunho e ensino de irmãos, mas infinitamente mais importante é por à prova tudo que é dito, sujeitar todo o conhecimento ao discernimento do Espírito Santo que nos dá entendimento.

E muitos mais creram nele, por causa da sua palavra.
E diziam à mulher: Já não é pelo teu dito que nós cremos; porque nós mesmos o temos ouvido, e sabemos que este é verdadeiramente o Cristo, o Salvador do mundo. João 4:41-42

Podemos estar sinceramente enganados. A quem, ou a que dizemos Amém? Com quais ideias estamos comungando? Temos examinado nas Escrituras se assim é, ou temos dito assim seja para tudo aquilo que tenha aparência de piedade? Os samaritanos não disseram amém ao que a mulher disse, pura e simplesmente, foram buscar aquele “profeta” anunciado e ouviram eles próprios o que Ele dizia, e as Suas Palavras, vale lembrar, eram as Palavras de Deus, dispensando assim o exame nas Escrituras, neste caso.

Examinai tudo. Retende o bem. 1 Tessalonicenses 5:21

Deus nos fala por intermédio de homens, mas Ele também fala a nós mesmos pela Sua Palavra. Isso faz toda diferença.

E ao anjo da igreja de Laodicéia escreve: Isto diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus (...)
Apocalipse 3:14


terça-feira, 15 de abril de 2014

Quem nasceu primeiro o Ovo ou a Galinha?





E disse Deus: Produzam as águas abundantemente répteis de alma vivente; e voem as aves sobre a face da expansão dos céus.
E Deus criou as grandes baleias, e todo o réptil de alma vivente que as águas abundantemente produziram conforme as suas espécies; e toda a ave de asas conforme a sua espécie; e viu Deus que era bom.
E Deus os abençoou, dizendo: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei as águas nos mares; e as aves se multipliquem na terra.
E foi a tarde e a manhã, o dia quinto. Gênesis 1:20-23

Deus deu a Adão a função de nomear as aves e toda alma vivente:

Havendo, pois, o Senhor Deus formado da terra todo o animal do campo, e toda a ave dos céus, os trouxe a Adão, para este ver como lhes chamaria; e tudo o que Adão chamou a toda a alma vivente, isso foi o seu nome.
E Adão pôs os nomes a todo o gado, e às aves dos céus, e a todo o animal do campo; mas para o homem não se achava ajudadora idônea. Gênesis 2:19-20


O ovo sozinho não seria nada, pois não teria a galinha para chocá-lo. O ovo sem a galinha vira omelete. Assim, o homem sem o seu Criador para lhe dar sentido de vida, ao contrário da casca do ovo, não serve nem para adubo.

Na Bíblia, o galo e a galinha são citados em passagens que mostram que o homem por si nunca confia em Deus:

Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, e apedrejas os que te são enviados! Quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e tu não quiseste! Mateus 23:37 

E Pedro negou outra vez, e logo o galo cantou. João 18:27


A Bíblia é nosso Manual do Fabricante. Nela obtemos todos os planos do Criador e para o que eventualmente não entendamos, podemos contatar o suporte técnico para nossa orientação. E o melhor o contato é de graça. Pela fé no testemunho deste manual podemos nos colocar humildemente debaixo da potente mão de Deus, aninharmo-nos sob Si, para sermos chocados e ganharmos vida ao invés de sermos lançados no fogo feito omelete.

Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não veem. Hebreus 11:1

domingo, 13 de abril de 2014

Esta é para casar






Essa é para casar!

Algumas vezes ouvi esta frase a meu respeito, das mais variadas pessoas, colegas, professoras, mães de amigos. Na época me sentia lisonjeada, contudo, não é privilégio meu; todas nós, mulheres, fomos feitas para casar!

E disse o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora idônea para ele.

Então o Senhor Deus fez cair um sono pesado sobre Adão, e este adormeceu; e tomou uma das suas costelas, e cerrou a carne em seu lugar;
E da costela que o Senhor Deus tomou do homem, formou uma mulher, e trouxe-a a Adão.
E disse Adão: Esta é agora osso dos meus ossos, e carne da minha carne; esta será chamada mulher, porquanto do homem foi tomada.
Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne. (Gen 2:18-24)


Por mais fora de moda que este conceito esteja ainda repouso sob a ideia de que este é o plano original de Deus para os viventes. Adão e Eva foi o primeiro casal descrito na Palavra de Deus, e precursores de toda a geração terrena. O plano foi definido antes de o pecado entrar no mundo, e Deus não muda de ideia quando erramos, os propósitos de Deus são imutáveis.

Deus não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa; porventura diria ele, e não o faria? Ou falaria, e não o confirmaria? (Num 23:19)

Embora não seja privilégio meu ser uma mulher para casar, ainda é bom ser considerada pelas pessoas como tal. Embora falar mal ou desmerecer o casamento atualmente seja natural, o que de fato o é parece muito estranho! Mesmo assim ouso dizer que no fundo mesmo estas mulheres que se dizem avessas à ideia, sentem aquela alegria no coração quando veem um casal feliz, que demonstra o quanto se amam, e o quanto um está pelo outro.

Conheço alguns casais que vivem muito bem casados, sendo que este "muito bem" não quer dizer que não tenham problemas, brigas, tristezas. Isso nunca foi prometido, vida sem aflições, ao contrário, foi-nos dito tudo isto e o único conselho foi: tende bom ânimo! (Mt 14:27). E é assim, na fé que sustenta esse bom ânimo que estes casais vivem felizes, dentro do propósito de Deus. Não falo aqui de meras formalidades civis apenas, pois esta sem fé vale tanto quanto a fé sem as formalidades legais.

Existe um trecho bíblico muito famoso em cerimônias de casamento que está em Marcos, capítulo 10, versos 6 a 9: Porém, desde o princípio da criação, Deus os fez macho e fêmea. Por isso deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e unir-se-á a sua mulher, e serão os dois uma só carne; e assim já não serão dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem.

Justamente por estar tão à mostra, esta passagem perdeu sua importância no mundo, no entanto é tão solene. No princípio o “legal” da passagem para as donzelas do século XIX era o deixar pai e mãe. Hoje, quando não são os próprios pais quem deixam os filhos, já está bem mais fácil fazê-lo sem precisar casar. A parte que diz que o que Deus ajuntou não o separe o homem - este homem era tido sempre como uma terceira pessoa da relação, no caso um adultério. Mas isso compete ao casal, independente da existência de outra pessoa. 

Outra vez me disseram que entendiam por “uma só carne” a relação sexual apenas. Mesmo assim ainda estaria um tanto quanto resguardada a pureza da solenidade. Então trataram o mais depressa de banalizar o sexo.

Na ordem dos acontecimentos, veio o descrédito para a expressão Deus os fez macho e fêmea. E assim toda a Palavra de Deus foi torcida para que racionalmente não alcançássemos a ideia do que é ser uma só carne com outra pessoa, dentro do que na Palavra de Deus isto representa:


Por isso deixará o homem seu pai e sua mãe, e se unirá a sua mulher; e serão dois numa carne.

Grande é este mistério; digo-o, porém, a respeito de Cristo e da igreja.
Assim também vós, cada um em particular, ame a sua própria mulher como a si mesmo, e a mulher reverencie o marido. (Ef 5:31-33)



No Antigo Testamento, tem uma história que terminaria triste se a moça em questão não quisesse casar. Abraão já estava avançado em idade e tinha um filho chamado Isaque, que seria seu único herdeiro. Então, como nos planos de Deus, achou por bem que como homem, não seria bom ele estar só, e pediu ao seu servo que fosse buscar uma noiva para seu filho. Abraão tinha diversos motivos para enviar seu servo para um determinado lugar em busca de uma noiva, mas uma coisa me chamou atenção quanto a boa vontade da moça em relação a este chamado.

E disse-lhe o servo: Se porventura não quiser me seguir a mulher a esta terra, farei, pois, tornar o teu filho à terra donde saíste?

E Abraão lhe disse: Guarda-te, que não faças lá tornar o meu filho. (Gen. 24:5-6)

Se a mulher, porém, não quiser te seguir, serás livre deste meu juramento; somente não faças lá tornar a meu filho. (Gen. 24:8)



Há benção em permanecer em obediência aos planos de Deus, chegará um tempo em que isto não será necessário, mas os que forem havidos por dignos de alcançar o mundo vindouro, e a ressurreição dentre os mortos, nem hão de casar, nem ser dados em casamento(Lc 20:35)  Logo, tenhamos boa vontade, e sejamos sensatas e andemos com nossas lamparinas repletas com azeite, para quando o noivo chegar, sairmos junto dele, sem correr o risco de ficar para trás da porta a chamar: Senhor! Senhor! Abra para nós!


Quando eu nasci de novo?





Há três anos eu escrevia com espírito revoltado, embora já liberto da ideia preconcebida sobre o que significa de fato limitações. Então fiz algumas divagações aqui e acolá repleta de fúria, sarcasmos e um pouco de vaidade.


Depois que um amigo levantou uma questão importante sobre o novo nascimento, a saber, a fé em Cristo Jesus Nosso Senhor e Salvador que promove por meio da Palavra e do Espírito a renovação do nosso ser nEle, fui movida a fazer uma retrospectiva para saber se de fato teria uma data para responder a uma pergunta: Quando eu nasci de novo?

Jesus respondeu: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus. João 3:5


Há três anos eu já havia nascido do espírito, com toda certeza, já havia recebido do alto a crença na salvação, e já bebia de algumas fontes duvidosas daquilo que viria posteriormente lavar minha alma, se assim posso dizer: A PALAVRA DE DEUS. Sem saber minha maior dor foi o meio mais adequado para que eu encontrasse o que nenhum ser humano busca por vontade própria: Deus.


Não há ninguém que entenda;Não há ninguém que busque a Deus. Romanos 3:11

Desde menina padeci situações constrangedoras as quais não vale a pena contar, mas recordá-las num passado superado é louvor para Deus. Não fosse o desespero eu não teria encontrado a esperança, não fosse a dor eu não teria encontrado o bálsamo, não fosse a sede eu não teria encontrado a fonte de água viva, não fosse o aparente fracasso eu não teria achado a vitória.

Quem crê em mim, como diz a Escritura, rios de água viva correrão do seu ventre. João 7:38

"Mas que vitória? Acaso saraste de todas tuas mazelas?" - alguém pode perguntar. Todas não. Na carne não tive promessas que teria isenção de doenças, embora não me seja negada a cura, mas ainda assim dentro dos planos e vontades de Deus Pai pela glória Exaltada do Filho Jesus. Mas ganhei a certeza inabalável que fui separada "Para uma herança incorruptível, incontaminável, e que não se pode murchar, guardada nos céus para vós, 1 Pedro 1:4

Naquele ano de 2010 as coisas começaram a mudar para mim exteriormente, voltei a estudar, sair sozinha na rua, conhecer pessoas, no ano seguinte conclui um curso técnico e comecei a faculdade, mas isto foram consequências da principal mudança: Eu era nascida da Água e do Espírito, havia recebido a salvação por graça, de graça, se ficar de mais fácil entendimento, tudo porque nos recônditos da minha solidão quando nada mais parecia resolver o meu problema, amigos, simpatias, família, Nova Era, Testemunhas disto e daquilo, Padre fulano e beltrano, segredos e afins, depois que o popular se mostrou falível eu não busquei a Deus, mas Ele encontrou então o terreno que Ele mesmo preparou para lançar sua semente, e aqui estou eu prestando meu testemunho. 

Nenhuma crítica do tipo “crente convencida” vai mudar a minha fé. Mesmo porque, por mais irônico que seja é isto que sou uma pessoa crente na Salvação convencida que nada nos separa do amor de Deus, pois Cristo é a garantia. Claro que até o dia em que O Senhor voltar terei muita água (Palavra) para beber desta vez de fonte segura: a Bíblia e o poder do Espírito Santo de revelar ou desenhar o que Ele já deixou escrito.

E antes que fique a falsa ideia de que minha vida ficou mil maravilhas aqui na terra após minha conversão digo que NÃO. Não ficou não. Ainda tomo meus remedinhos, não sei até quando, é que meu foco não está na cura da carne, mesmo porque os avanços que eu precisava eu tive, pela fé, por mais que não seja algo mágico, onde tudo fica fácil quando somos crentes (embora este termo seja usado muito de forma pejorativa, às vezes com razão de ser), não teria como eu ter consciência de uma nova vida dentro de mim e agir como um bichinho assustado e dependente de todos no mundo.  

Assim como na época de Natal vale dizer que o que deve ser lembrado e reconhecido não é o nascimento de Jesus, nem a data nem as circunstâncias, mas a sua morte na cruz pelos nossos pecados, sua ressurreição e a graça da salvação, também pouco importa quando eu nasci de novo, o fato é que a misericórdia do Senhor produziu terreno propício para no momento certo me revelar a Cristo, e o destino eterno de todo aquele que crê. Mas foi bom o questionamento, pois gerou a ocasião do meu testemunho cristão.

Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo, a nossa fé. 1 João 5:4

Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo que, segundo a sua grande misericórdia, nos gerou de novo para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, 1 Pedro 1:3





Por quem os sinos dobram?




Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.
1 Coríntios 13:1

Um metal que soa.

Um sino que tine.

Achei um bom começo esta passagem para iniciar uma nova fase em minha vida. Antes mesmo de dizer por que, vale lembrar que (...) da abundância do seu coração fala a boca (Lucas. 6:45). Este espaço é para derramar um pouco do bom tesouro que foi depositado neste vaso de barro que é meu coração por Cristo Jesus, nosso Senhor.

Uma antiga tradição religiosa fazia dobrar os sinos das catedrais sempre que alguém “especial” morria. Ainda o faz aos domingos, em algumas delas, fazendo lembrar assim a morte de Jesus Cristo, nosso Senhor.

Os sinos possuem outras finalidades, mas todas elas anunciam algum tipo de perigo sanado; o mais recente sino que vi estava numa antiga linha férrea, então, não fosse o sino, muitos desavisados morreriam andando na linha...  
Nós homens poderíamos ter os melhores dons do Espírito, os melhores sinos para avisar que o perigo foi sanado, podemos confundir as duas coisas ao cantarolar que Cristo foi crucificado por nossos pecados, mas sem amor nada somos!

E como não dizer que não importa o tinir do sino que anuncia a morte do cordeiro de Deus não fosse pela certeza de que Jesus Cristo por nossos pecados foi entregue, e ressuscitou para nossa justificação. (Romanos 4:25). Ressuscitou! Ressuscitou!

Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. João 3:16

O Senhor Jesus ressuscitou e está à direita de Deus, o único intercessor pelas nossas falhas que ainda cometemos na carne enquanto não formos revestidos. O Senhor é meu Pastor. O Senhor é meu advogado. Meu e de todo aquele que crê. Você crê?

Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; e, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo. 1 João 2:1
Não espere um aperfeiçoamento moral para sentir-se digno da salvação, aceite a salvação – É DE GRAÇA! – e qualquer inclinação da carne será desprezível, e se eventualmente cairmos temos um advogado, a saber, Cristo! O que faz um advogado, acaso não convence o Juiz de nossa inocência? Ele possui o mais verdadeiro argumento:

Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. Isaías 53:5

Nosso Senhor já pagou por todos os nossos pecados. A doença que nos condenava à morte foi curada, agora só nos resta cuidarmos dos últimos sintomas, dos quais seremos livrados em breve:

Sabendo que o que ressuscitou o Senhor Jesus nos ressuscitará também por Jesus, e nos apresentará convosco. 2 Coríntios 4:14

Porque também nós, os que estamos neste tabernáculo, gememos carregados; não porque queremos ser despidos, mas revestidos, para que o mortal seja absorvido pela vida. 2 Coríntios 5:4

Não se distraia com os sinos, os metais altissonantes que bradam e chamam atenção daqueles que passam, não pela mensagem que representa, mas pelo prazer da carne, que é ao que frequentemente nos leva a música.

Não ande na linha em busca de salvação, nem pense que os brados, o jingle bells da capela próxima o podem salvar.

E eles disseram: Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa. Atos dos Apóstolos 16:31